21/10/2019 22:50
Bem-Estar / Saúde

Segundo a ONU, cerca de 1,7 milhão de pessoas foram infectadas pelo HIV em 2018

Estudo cita avanços, mas alerta para aumento de casos em alguns países

Bianca
por Bianca Stephania

O Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids) divulgou nesta terça-feira (16) que cerca de 1,7 milhão de pessoas em todo o mundo foram infectadas pelo vírus em 2018 – uma redução de 16% em relação a 2010. O documento Atualização Global sobre a Aids – Comunidades no centro revela que a queda foi impulsionada principalmente por progressos no leste e no sul da África. 

O estudo, lançado em Genebra, na Suíça, e em Eshowe, na África do Sul, alerta, entretanto, que, enquanto alguns países têm avanços acentuados, outros observam o aumento de novas infecções pelo vírus e de mortes relacionadas à aids. O relatório aponta ainda uma desaceleração na redução de novas infecções por HIV.

A epidemia do HIV pôs em foco muitas falhas da sociedade. Onde há desigualdades, desequilíbrios de poder, violência, marginalização, tabus, estigma e discriminação, o HIV toma conta”, avalia a diretora do Unaids, Gunilla Carlsson.

Segundo o documento, o panorama da epidemia no mundo está mudando: em 2018, mais da metade de todas as novas infecções por HIV foram em pessoas que integram as chamadas populações-chave, que incluem profissionais do sexo, pessoas que usam drogas, homens gays, homens que fazem sexo com homens, transexuais e presidiários – e seus parceiros.

Globalmente, as novas infecções por HIV entre mulheres jovens (com idade entre 15 e 24 anos) caíram 25% entre 2010 e 2018. Em contra partida, segundo os dados do Boletim Epidemiológico HIV Aids 2018, divulgado pelo Ministério da Saúde, Casos de HIV em pessoas entre 15 a 24 anos aumentaram 700% nos últimos 10 anos.

Esta é uma boa notícia, mas, é claro, continua a ser inaceitável que 6 mil meninas adolescentes e mulheres jovens sejam infectadas pelo HIV toda semana. A saúde sexual e reprodutiva e os direitos das mulheres e jovens muitas vezes ainda são negados”, aponta Gunilla Carlsson.

Países de língua portuguesa

O estudo inclui avanços para que se tenha, até 2020, 90% das pessoas com HIV devidamente diagnosticadas, 90% delas realizando tratamento com antirretrovirais e, deste grupo, 90% com carga viral indetectável.

No primeiro indicador, Brasil, Cabo Verde e Portugal cumpriram ou estão a caminho de cumprir a meta. Os dois últimos países também estão em vias de alcançar o segundo indicador.

O Brasil é citado como o único país em vias de cumprir o objetivo de alcançar 90% de pessoas com carga viral indetectável, o que indica sucesso do método terapêutico aplicado no país.

A Guiné-Bissau é mencionada no estudo pelo alto número de mulheres que vivem com deficiência com maior probabilidade de serem soropositivas do que homens na mesma situação.

Moçambique é citada pelo sucesso em ações com base na comunidade, que podem resultar na garantia de direitos à saúde em um país de baixa renda com uma das maiores epidemias de HIV do mundo e vários desafios de saúde pública. Os recentes ciclones e o efeito no sistema de saúde são apontados no relatório, que cita outros agravantes como pobreza extrema, acesso desigual, escassez e fraca presença de provedores de serviços de saúde.

Já Angola é um dos sete países onde o número de infeções aumentou em crianças.

Populações

O documento mostra que as populações-chave e seus parceiros sexuais representam atualmente 54% das novas infecções pelo HIV no mundo. Em 2018, o grupo respondia por 95% delas, enquanto as regiões que precisavam de maior atenção eram Europa Oriental e Central, Oriente Médio e Norte da África.

O estudo revela ainda que menos de 50% das populações-chave foram atingidas com serviços combinados de prevenção ao HIV, problema relatado em mais da metade dos países pesquisados. Segundo o Unaids, isso seria um indicativo de que elas estão sendo marginalizadas e deixadas para trás na resposta ao HIV.

Via: Agência Brasil

Notícias sobre:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Bem-Estar

Campanha de vacinação contra o sarampo: 70 salas de vacina com doses disponíveis em Goiânia

Previne-se contra essa doença viral, que pode levar o indivíduo a morte


+ Bem-Estar

Grande descoberta evita queda de cabelo durante sessões de quimioterapia

Um estudo de laboratório de Ralf Paus, do Center for Dermatology Research, leva a explorar propriedades da nova classe de medicamentos que se chama inibidores de CDK4/6


+ Bem-Estar

Pesquisa revela que tomar chá regularmente evita danos no cérebro

A descoberta envolveu testes cognitivos em 36 adultos,acima de 60 anos, entre os anos de 2015 a 2018


+ Bem-Estar

Banco de Sangue do Hugol necessita de doadores de todos os tipos

O hospital recebe diariamente pacientes graves, politraumatizados ou acometidos de doenças que necessitam de reposição sanguínea


+ Bem-Estar

Cera do ouvido pode diagnosticar câncer, revela estudo da UFG

Cerca de 102 voluntários participaram do estudo que chamou atenção de profissionais de saúde referência quando o assunto é câncer


+ Bem-Estar

5 postos de coleta do leite humano que as mamães goianas precisam conhecer

É preciso incentivar as mães sobre a importância do aleitamento materno e da doação para outros bebês


+ Bem-Estar

Paciente internada em Goiânia recebe visita surpresa do seu cãozinho e se emociona

Ao ver o bichinho de estimação, criado como um filho, a mulher, que estava abatida, ficou mais animada para continuar lutando pela saúde


+ Bem-Estar

Pode ou não pode? Famosos recebem críticas sobre hábito de dar selinho nos filhos

A prática divide opiniões entre os internautas. Alguns comentários afirmam que isto pode causar confusão na mente das crianças


+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2019. Todos os direitos reservados.