22/09/2019 20:18
Tecnologia / Inovação

Pesquisadoras da UFG desenvolvem medicamento que reverte overdose de cocaína

Formulação produzida com nanotecnologia captura droga em circulação no organismo mesmo em quantidade letal

Bianca
por Bianca Stephania

Uma pesquisa realizada na Universidade Federal de Goiás (UFG) desenvolveu uma partícula capaz de capturar a cocaína em circulação no sangue de um organismo vivo. A formulação se mostrou eficiente até mesmo em doses letais da droga, o que significa que ela consegue reverter um quadro de overdose que levaria à morte. É a primeira vez que uma partícula produzida a partir de nanotecnologia é utilizada com essa finalidade.

O trabalho foi desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Ciências Farmacêuticas da UFG pela pesquisadora Sarah Rodrigues Fernandes, sob orientação da professora Eliana Martins Lima. Elas explicam que os testes feitos em laboratório indicaram uma capacidade de captura da cocaína do organismo de cobaias de cerca de 70%, revertendo rapidamente os sintomas típicos de uma overdose, como a hipertensão arterial, que levaria à morte por insuficiência cardíaca. “A pressão arterial e os batimentos cardíacos começam a voltar ao normal cerca de dois minutos após a administração da nanopartícula que desenvolvemos”, detalha Sarah.

b3c2358edce8658de206768a35e64afc.jpgEliana Martins Lima, pesquisadora da UFG - Universidade Federal de Goiás (UFG)

A pesquisa, realizada com animais de laboratório, abre perspectivas de aplicação em seres humanos. “A partir de um desenho experimental detalhado, chegamos a uma partícula ideal com resultados comprovados”, afirma a pesquisadora. Com a possibilidade de aplicação para outros tipos de droga, elas avaliam que, futuramente, a formulação pode servir como uma plataforma para a desintoxicação.

A formulação também foi comparada com o produto que é usado atualmente em casos de intoxicação, tendo apresentado resultado surpreendentemente superior. “Desenvolvemos uma terapia de resgate, rápida, extremamente eficaz e inédita na literatura mundial”, pontua a professora Eliana. O trabalho foi realizado com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Goiás (Fapeg).

Comercialização

A eventual disponibilização do medicamento para uso no socorro de pessoas em processo de overdose depende de parceria entre a universidade e laboratórios farmacêuticos. Até poder ser utilizado em seres humanos, o medicamento deve ser submetido a testes clínicos exigidos pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A produção de medicamento é investimento de médio a longo prazo. Além dos testes, a indústria farmacêutica precisa custear os laboratórios de fabricação em massa e fazer a comercialização. O laboratório que venha a se associar para a produção deverá fazer o registro para a venda.

“Nosso papel como universidade pública é formar pessoas altamente qualificadas, jovens cientistas, pesquisadores e, no meio desse caminho, produzir conhecimento novo. É muito importante, agora, que as indústrias farmacêuticas, percebam a capacidade de contribuir com esse processo de inovação e, dessa forma, identifiquem que vão conseguir manter um espaço importante no mercado”, diz Eliana.

Saúde pública

A produção global de cocaína atingiu seu nível mais alto em 2016, com cerca de 1,4 mil toneladas - um aumento de 25% em relação a 2015. Os dados são do Relatório Mundial sobre Drogas, do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes. O levantamento também revela que cerca de 37% das mortes relacionadas ao consumo de drogas ocorrem por overdose.

“Estamos diante de um problema social e de saúde pública que envolve o uso abusivo de drogas com função recreativa”, observa a professora Eliana. Além disso, essas substâncias levam a um alto nível de tolerância, ou seja, o organismo começa a precisar de doses cada vez maiores para que sejam gerados os mesmos efeitos. “Mas para o efeito tóxico não há tolerância, por isso o risco da overdose”.

O impacto social foi um dos objetivos da pesquisa. “Trabalhamos justamente para que os resultados deste trabalho possam ser aplicados na sociedade”, assinala Sarah. Farmacêutica formada pela UFG e participante do Programa de Iniciação Científica na graduação, a pesquisadora pretende dar continuidade aos estudos no doutorado.

Sobre a UFG

A Universidade Federal de Goiás foi fundada em 1960 com a fusão de cinco faculdades já existentes. Com 156 cursos de graduação, mais de 6 mil vagas disponíveis por ano na graduação e mais de 28 mil alunos, está presente nas cidades de Goiânia, Aparecida de Goiânia, Catalão, Goiás e Jataí. Além da graduação, a UFG oferece 78 cursos de pós-graduação entre mestrados, doutorados e mestrados profissionais, com mais de 4.200 alunos.

Com informações da UFG e da Agência Brasil / Foto: Universidade Federal de Goiás (UFG)

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Tecnologia

Extinção dos likes? Instagram inicia testes para ocultar as curtidas no Brasil

Objetivo da empresa é melhorar os engajamentos da plataforma para além dos likes


+ Tecnologia

Com chiclete para astronautas, estudantes de Goiânia vencem torneio de robótica da NASA

Equipe superou 70 equipes de 12 países na competição, que é considerada uma das mais importantes do mundo


+ Tecnologia

Nintendo anuncia lançamento de novo console, o Nintendo Switch Lite

Nova versão do console terá três opções de cores, bateria durável e preço acessível


+ Tecnologia

Estudantes de Goiânia representam o Brasil em torneio de robótica da NASA

Chiclete inovador para astronautas leva estudantes do Sesi Canaã para torneio de robótica da NASA nos Estados Unidos


+ Tecnologia

Brasileira de 16 anos ganha bolsa de estudos em programa da NASA

A estudante carioca Lara Campos, ganhou uma bolsa para participar da Academia de voos da NASA durante 6 dias nos EUA


+ Tecnologia

Wizards Unite: O jogo de realidade virtual inspirado no universo de Harry Potter

Dos mesmos criadores de Pokemon Go, o jogo Harry Potter: Wizards Unite chega ao Brasil. Venha ver o que o aguarda nessa aventura mágica


+ Tecnologia

Instagram e Facebook liberam no Brasil função que adiciona músicas nos stories

Após ser lançado em 7 países no ano passado, finalmente sticker chega aos brasileiros


+ Tecnologia

Amazon e Alibaba interessadas em comprar os Correios

As gigantes do comércio eletrônico discretamente estudam a possibilidade de comprar


MAIS LIDAS DE HOJE

+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2019. Todos os direitos reservados.