18/10/2018 08:24
Notícias / Conteúdo

Mandados de busca e apreensão são feitos em endereços de Marconi Perillo

Jayme Rincon, coordenador de campanha do atual governador e candidato a reeleição, já foi preso

img
Marcella
por Marcella Alves

Hoje de manhã (28/09) a Polícia Federal iniciou a operação Cash Delivery, uma operação para cumprir mandados de busca e apreensão em endereços associados a Marconi Perillo, candidato ao Senado e diversas vezes ex-governador de Goiás.

Jayme Rincon que foi preso pela PF é coordenador da campanha do atual governador de Goiás, José Elinton (PSDB), que também é candidato à reeleição.

A Cash Delivery apura repasses indevidos para agentes públicos em Goiás. Mais de R$ 12 milhões estão sendo investigados. A operação tem 14 mandados de busca e apreensão e 5 de prisão temporária em Goiás e São Paulo.

O ex-governador de Goiás se tornou réu no início de setembro por corrupção passiva, juntamente com os candidatos a presidência Fernando Haddad (PT) denunciado por corrupção e lavagem de dinheiro e Geraldo Alckmin (PSDB) por improbidade administrativa por caixa dois. Empresários, agentes públicos e doleiros estão sendo investigados pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e formação de quadrilha. Toda essa operação foi baseada na delação de executivos da Odebrecht.

A Polícia Federal informou inicialmente que o ex-Governador de Goiás teve prisão decretada, mas retificou a informação dizendo que investigadores não pediram a prisão de Perillo porque o período eleitoral imepriria o cumprimento do mandado.

Marconi Perillo

O Ministério Público Federal afirma que o candidato, quando senador e depois governador do estado, recebeu e pediu propina nos valores de 2 milhões de reais em 2010 e 10 milhões de reais em 2014 para favorecer a Odebrecht em contratos e obras em Goiás. A operação Cash Delivery tem como intuito rastrear o destino desse dinheiro.

O MPF mostra que houveram, pelo menos, 21 entregas do dinheiro irregular em 2014 feitas pela Odebrecht para o favorecimento do candidato ao senado. Indícios mostram que Marconi era o chefe do grupo, enquanto Jayme agia como seu braço direito.

Apesar disso, o ex-governador não pode ser preso por causa da lei eleitoral. Ela proíbe que candidatos sejam presos ou detidos 15 dias antes das eleições, a não ser que sejam presos em flagrante.

No início de setembro, Perillo também virou réu em outro processo. Nesse caso, a 8ª Vara Criminal aceitou uma denúncia contra ele em um processo que já envolvia Carlinhos Cachoeira.

Neste caso, o candidato a senado é acusado de favorecer contratos da Construtura Delta com o poder público em troca de propinas. A denúncia foi apresentada em março de 2017. Junto a Perillo, o contraventor Carlos Augusto Ramos, Carlinhos Cachoeira, o ex-presidente do Conselho de Administração da construtora, Fernando Cavendish e o ex-diretor da empresa, Cláudio Abreu, também foram denunciados.

 

 

Foto: Ueslei Marcelino-Reuters/Reprodução

 

 

Notícias sobre:

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Lumière do Shopping Bougainville anuncia retorno de atividades após reforma

O telhado do cinema desabou depois de uma forte chuva na capital


+ Notícias

Gil Gomes morre aos 78 anos

Famoso repórter policial do rádio e do 'Aqui e Agora' sofria de Mal de Parkinson e lutava contra um câncer no fígado



+ Notícias

Lady Gaga quebra recorde com incrível trilha sonora de 'Nasce uma Estrela'

Além do sucesso do filme, a trilha sonora ficou em primeiro na última lista divulgada pela Billboard


+ Notícias

Governo volta atrás e horário de verão terá início no dia do Enem

Pressionado por setores como companhias aéreas, o governo voltou atrás e confirmou a data original


+ Notícias

Robert Downey, o 'Homem de Ferro' manda vídeo emocionante para fã com câncer

Jackson usa uma porta médica no peito, semelhante à que Tony Stark tem para lhe dar "poder"


+ Notícias

Vídeo: Cid Gomes, irmão de Ciro, é vaiado em evento do PT ao pedir 'mea culpa'

'É por isso que vocês vão perder'. 'Lula ta preso ô babaca!'


+ Notícias

PF indicia Abílio Diniz e mais 42 investigados por fraude sobre carne

Indiciamento ocorre na Operação Trapaça, continuação da Carne Fraca


MAIS LIDAS DE HOJE

+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2018. Todos os direitos reservados.