19/06/2019 23:49
Notícias / Conteúdo

Fungo fatal tem se espalhado pelos hospitais de todo o mundo e pode chegar ao Brasil, segundo Anvisa

Conhecido como Candida Auris, o fungo causa infecções hospitalares e pode ser fatal em pacientes de unidades hospitalares intensivas

Natália
por Natália Souza

Dos últimos cinco anos para cá, o fungo conhecido como Candida Auris tem se espalhado pelo mundo e causado problemas nos hospitais, atacando pessoas com o sistema imunilógico enfraquecido, e pode chegar ao Brasil.

De acordo com especialistas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), os hospitais brasileiros correm o risco de serem astingidos pelo fungo, que ainda não tem um tratamento efetivo.

O fungo

O Candida Auris é responsável por causar infecções hospitalares, podendo ser fatal para os pacientes de unidades hospitalares intensivas. Entretanto, em pessoas saudáveis, o fungo acaba passando pelo seu corpo sem causar nenhum sintoma, fazendo com que ele seja transmitido silenciosamente.

O professor deinfectologia e diretor técnico do Laboratório Especial de Micologia da Escola Paulista de Medicina da UNIFESP, Arnaldo Lopes Colombo, alerta para o risco de infecção no Brasil. Ele fez parte da elaboração da nota técnica feita pela Anvisa, para avisar os hospitais brasileiros sobre a possibilidade da chegada do fungo. 

Já em 2017, uma nota teria sido emitida como um 'Comunicado de Risco Nº 01/2017', relatando os surtos de Candida Auris em serviços de saúde na América Latina. E, depois do Candida Auris chegar a Nova York, Nova Jersey e Illinois, os Centros Federais de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) colocaram o fungo na lista de germes considerados "ameaças urgentes".

Uma análise internacional mostrou que o material genético encontrado nos fungos de diferentes partes do mundo é razoavelmente diferente, o que significa que ele não está migrando pelas regiões mas se desenvolvendo a partir de espécies preexistentes.

A farmacêutica Luana Rossato trabalha para entender o novo fungo, descoberto a 10 anos, e diz que apesar de matar menos que a Candida Albicans ele tem recebido destaque pela sua resistência fúngica e ser de difícil diagnosticação. Diferente da maioria dos fungos, que não sobrevivem por muito tempo em superfícies materiais e precisam de um ser vivo para se alimentar, este consegue viver por mais tempo nesses ambientes. Além disso, mesmo depois de se curar dos sintomas, os pacientes podem continuar com o fungo no corpo.

 

Siga Curta Mais nas redes sociais:

Curta Mais no Facebook

Curta Mais no Instagram

Curta Mais no Twitter

 

Capa: Melissa Golden / The New York Times

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Crítico de cinema Rubens Ewald Filho morre aos 74 anos em São Paulo

Jornalista estava internado em estado grave desde o dia 23 de maio no Hospital Samaritano, em São Paulo


+ Notícias

Facebook lança oficialmente a sua própria criptomoeda

Fechando parceria com a Mastercard, PayPal, Uber e Spotify, a moeda digital está prevista para 2020


+ Notícias

Homem escala estrutura metálica do viaduto da 85 em Goiânia; veja vídeo

O rapaz foi resgatado pelo corpo de bombeiros e foi encaminhado para o Pronto Socorro Psiquiátrico Wassily Chuc


+ Notícias

Ministra Damares lança campanha contra suicídio e automutilação de crianças e adolescentes em Goiânia

A partir deste ano, toda tentativa de suicídio ou automutilação terá que ser notificada pelas unidades de saúde e educação


+ Notícias

Jair Bolsonaro reage à derrota do decreto das armas nas redes sociais

Descontente, o presidente afirmou que o direito à legítima defesa não pode continuar sendo violado


+ Notícias

Professoras são aplaudidas de pé por alunos no último dia de trabalho em vídeo emocionante

A homenagem surpresa aconteceu no Colégio Estadual Jardim America, em Goiânia


+ Notícias

Restaurante Coralina: gastronomia contemporânea com um toque dos sabores de goiás no coração de Goiânia

Assinantes premium Clube Curta Mais tem 30% de desconto em todo o cardápio, exceto bebidas


+ Notícias

Marta ultrapassa Klose e se torna a maior artilheira da história das Copas do Mundo

Craque do Brasil se torna a primeira, entre homens e mulheres em goleadas na história das Copas do Mundo


+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2019. Todos os direitos reservados.