22/08/2019 17:53
Notícias / Conteúdo

Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo reforça importância da inclusão

A data é celebrada todo dia 2 de abril

Marcelo
por Marcelo Albuquerque

As Nações Unidas celebram neste 2 de abril o Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo sob o lema “Capacitando mulheres e meninas com autismo”. O secretário-geral da ONU, António Guterres, aproveitou a data para lembrar a reafirmação do “compromisso de promover a plena participação de todas as pessoas com autismo na sociedade e garantir o apoio necessário para que estas possam exercer seus direitos e liberdades fundamentais”.

As comemorações do Dia Mundial da Conscientização do Autismo também querem envolver mulheres e meninas com as organizações que as representam na formulação de políticas e decisões para abordar os desafios que elas enfrentam. A Assembleia Geral da ONU realiza uma série de eventos sobre a data na próxima quarta-feira (4), como debates com especialistas e ativistas para discutir questões específicas de mulheres e meninas com autismo.

Os temas abordados incluem os desafios e as oportunidades para o pleno exercício dos seus direitos em áreas como casamento, família e paternidade com igualdade de oportunidades.

Desafios

Em novembro de 2017, a Assembleia Geral adotou uma resolução chamando a atenção para os desafios específicos de mulheres e meninas com deficiência para implementar a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Essa decisão manifesta preocupação porque mulheres e meninas nessa situação estão sujeitas a “formas de discriminação diversas e interligadas, que limitam o usufruto de todos os seus direitos humanos e liberdades fundamentais”.

A ONU diz que as meninas com deficiência são menos propensas a terminar o ensino fundamental e têm maior probabilidade de serem marginalizadas ou terem acesso negado à educação.

De acordo com a organização, as mulheres com deficiência apresentam uma taxa de emprego mais baixa do que os homens na mesma situação e do que as mulheres sem deficiência.

Violência

No mundo, as mulheres com deficiência têm mais probabilidades de sofrer violência física, sexual, psicológica e econômica do que os homens. Outro problema é a desigualdade causada pela discriminação e pelo estigma associado ao gênero e à deficiência.

Os resultados da falta de acessibilidade e dos estereótipos são barreiras aos serviços de saúde sexual e reprodutiva e à informação sobre educação sexual abrangente. As mais afetadas são particularmente mulheres e meninas com deficiência intelectual, que inclui o autismo. (Via Agência Brasil)

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Macron convoca o G7 e afirma que as queimadas na Amazônia são 'uma crise internacional'

O encontro está previsto para este fim de semana, em Biarritz, no sudoeste francês


+ Notícias

Goiânia recebe Café com Amigos inspirado no TED com palestras gratuitas

O evento semanal terá primeira edição nesta sexta com palesta de Marcelo Albuquerque, CEO do Curta Mais


+ Notícias

TendTudo anuncia encerramento de atividades em Goiânia e várias lojas pelo Brasil

A faixa com o comunicado deixada na loja do Jardim Goiás pegou os clientes de surpresa


+ Notícias

Motociclista entregador dá pauladas e derruba radar móvel em Goiânia; assista vídeo

Homem ainda não identificado foi filmado derrubando o equipamento instalado pela SMT no Jardim Atlântico, próximo ao parque Cascavel


+ Notícias

Nova estátua de Cora Coralina na Cidade de Goiás gera polêmica

A novidade faz parte das comemorações pelos 130 anos da poetisa mas tem dividido opiniões


+ Notícias

Danilo Caymmi faz show em Goiânia em tributo ao pai Dorival

O elogiadíssimo 'Viva Caymmi’ chega a Goiânia em única apresentação


+ Notícias

Adolescente ataca escola e deixa pelo menos 6 feridos no Rio Grande do Sul

O suspeito fugiu e está sendo procurado pela polícia


+ Notícias

Olha eles: Os goianos Bruno e Marrone viram embaixadores do turismo brasileiro

"Hoje o almoço foi por conta do nosso presidente", escreveu Marrone nas redes sociais


+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2019. Todos os direitos reservados.