23/09/2018 01:04
Notícias / Conteúdo

11 curiosidades sobre pontos históricos e culturais de Goiânia

Para a reforma do Coreto, por exemplo, foi necessário encontrar o pedreiro que participou de sua construção

por Curta Mais

Atualização: Rodolfo Alves Pena

 

Apoio cultural: Bretas

 

A cidade de Goiânia, fundada em 24 de outubro de 1933, possui uma rica e interessante história. A cidade, por exemplo, quase se chamou Petrônia e atualmente possui a maior feira ao ar livre da América Latina, dentre outras inúmeras peculiaridades.

Os diversos pontos históricos e culturais do município possuem interessantes histórias, que sem dúvida demarcam a riqueza material e imaterial característica da capital.

Confira a seguir algumas curiosidades de alguns desses lugares na cidade de Goiânia:

 

O setor aeroporto realmente tinha um aeroporto

O nome “setor aeroporto” não é por acaso. Lá encontrava-se o primeiro grande aeroporto de Goiânia, construído ainda na década de 1930. Graças ao crescimento desordenado da cidade, sobretudo o chamado “boom imobiliário”, o aeroporto teve que mudar de lugar no ano de 1956.

d7ad8443d17d228500a407f1b90079bb.jpg

Foto: Eduardo Bilemjian / Reprodução – G1

No ano de 1937, havia sido recomendado ao governador de Goiás a construção de um aeroporto completo na capital. A obra original era composta por duas pistas na forma de cruz, uma delas é, hoje, a Avenida República do Líbano. Em 1969, o local foi transformado na Praça do Avião, que possui uma réplica do 14-BIS, obra do artista plático Fernando Nolêtho.

 

Leia também: Endereços que provam porque o Setor Aeroporto é muito mais que a Praça do Avião

 

O primeiro “Palácio do Governo” era em uma árvore

95680c44ed832658911364b8edbcdf20.jpg

Foto: Samuel Straioto / Reprodução – G1

O então governador Pedro Ludovico Teixeira, conhecido fundador de Goiânia, tinha o hábito de colocar sua mesa embaixo de uma árvore amoreira, fazendo desta o ‘primeiro palácio’ do do governo na cidade. A árvore existe até hoje, na rua 24, e poucos que passam por ali sabem de sua importância história.

 

O Coreto da Praça Cívica mudou de forma e voltou ao que era antes

d87c613387b6e24ab27a9cfab95f6a2d.png

Foto: Wikimedia Commons

O Coreto da Praça Cívica foi construído no ano de 1942, com a intenção de sediar manifestações artísticas, culturais e também de cunho político. Sua fundação ocorreu durante o batismo cultural da cidade. Foi modificado inúmeras vezes ao longo do tempo, voltando ao seu modelo original em 1978, o que envolveu a participação de um pedreiro que esteve presente na primeira construção.

 

Divisão de Patrimônio Histórico da Secretaria de Cultura já foi o Grand Hotel de Goiânia

2eb72657cd32a696df5b5a63206de889.png

Foto: grandehotelgoiania.blogspot.com.br

O Grande Hotel foi construído em 1936 e era um dos prédios de maior destaque na paisagem da cidade. O local foi ponto de encontro de empresários, políticos e grandes nomes da alta sociedade da época. A construção existe até hoje, mas não funciona mais como hotel há várias décadas, sendo atualmente administrada pela Secretaria Municipal de Cultura como Divisão de Patrimônio Histórico.

 

Já tentaram criar um túnel entre o Teatro Goiânia e o Palácio das Esmeraldas

51db3e466b0ebf3b02f987c09023c4af.jpg

Foto: biblioi9.files.wordpress.com

Uma das obras inauguradas durante o Batismo Cultural da capital foi o então chamado de Cine Teatro Goiânia, hoje conhecido somente como “Teatro Goiânia”, que até hoje conserva sua arquitetura original. Durante a Ditadura Militar, o governo tentou construir um túnel ligando o local com o Palácio das Esmeraldas. O projeto não deu certo e o túnel criado foi fechado.

 

O Lago das Rosas era o espaço dos mais humildes

c606ec8b8ef66ad2a98afe9fe0cae9b3.jpg

Foto: cicacarvello.com

O parque mais antigo da capital, o Lago das Rosas foi construído em 1940, recebendo esse nome por ter sido erguido sobre um grande e conhecido canteiro de rosas que encantava a população da capital na época. Durante muito tempo, o local ficou marcado por ser o ponto de encontro e lazer da população menos abastada, uma vez que a alta burguesia preferia o Jóquei Clube. De maneira pejorativa, muitos chamavam o lago de “piscina pública”.

 

O Monumento às Três Raças tem, na verdade, outro nome oficial

01b71fc5f9a5deef677d182cb672b34d.jpg

Foto: Marcos Aleotti / Curta Mais

O nome oficial do Monumento às Três Raças, localizado na Praça Cívica, é “Monumento a Goiânia”. Apesar da popularidade do segundo nome e do sentido lógico e óbvio que ele denota, o nome oficial representa a verdadeira identidade do monumento: uma homenagem ao povo goiano e à fundação e criação de Goiânia.

 

O Mercado Central tinha outro endereço

f495c3c74721305319fc5df301b67bcf.jpg

Foto: Eduardo Bilemjian / Reprodução – G1

O Mercado Central de Goiânia foi inaugurado em 1950, onde hoje funciona o prédio Pathernon Center. Depois foi transferido para onde é atualmente o Camelódromo do Centro e, finalmente, em 1986, passou a funcionar no local onde hoje se encontra, na rua 03. Originalmente, o mercado funcionava para abastecimento de produtos alimentícios, transformando-se em espaço comercial quando o varejo tomou conta da cidade.

 

A feira Hippie é a maior a céu aberto da América Latina

378c4765c64c8bd4b826bfc938709aea.jpg

Foto: Marcos Aleotti

Criada em torno de um conhecido personagem da cidade da década de 1970, o Mauricinho Hippie, a Feira Hippie começou a funcionar inicialmente no Parque Mutirama, depois na Praça Cívica e, por último, no local onde hoje se encontra, próximo à rodoviária da Avenida Goiás. Trata-se da maior feira a céu aberto em toda a América Latina.

 

O Centro Cultural Martim Cererê já foi um reservatório de água

4f59c23a7278d347ec6068a121a38659.jpg

Foto: Divulgação - Governo de Goiás

O Martim Cererê era inicialmente um conjugado de três reservatórios de água para abastecer o setor Sul. Os reservatórios foram transformados em teatros e o espaço foi inaugurado como centro cultural em 1988. Existem histórias que dão conta de supostas torturas realizadas no local pela Ditadura Militar.

 

Academia Goiana de Letras funciona em uma das primeiras construções da capital

e96e011a3f4e07cab5cf9d1fd38e8a4d.jpg

Foto: Reprodução - Luísa Gomes - G1

A casa de Colemar Natal e Silva, fundador e primeiro reitor da Universidade Federal de Goiás, foi uma das primeiras edificações da capital do estado. Localizada na Rua 20, hoje a casa abriga a Academia Goiana de Letras.

 

Com informações do G1

NOTÍCIAS RELACIONADAS

+ Notícias

Após 7 anos, Ex-BBB Kaysar reencontra sua família

Família do sírio chegou ao Brasil esta noite e reencontro emocionou a todos


+ Notícias

Flautista dinamarquês Rune Most faz apresentação inédita em Goiânia com entrada gratuita

Espetáculo conta com a pianista goiana Ana Flávia Frazão


+ Notícias

Goiânia recebe show de estreia inédito com clássicos da black music brasileira e baile dançante

Banda Soultim traz de volta grandes sucessos de Tim Maia, Jorge Ben Jor, Sandra de Sá e vários outros


+ Notícias

Goiânia recebe tarde de improvisos com entrada gratuita

Perfeito para quem quer se soltar e se livrar do estresse da semana!


+ Notícias

Confira a programação completa do II Seminário Goiano de Produção Cênica em Goiânia

Evento reúne profissionais de destaque nas áreas de teatro, dança e diversos projetos


+ Notícias

Chapada dos Veadeiros recebe projeto que promove a vivência da cultura indígena

Aldeia Multiétnica tem como objetivo fortalecer a troca de cultura entre indígenas e civilização


+ Notícias

Basílica de Trindade terá o maior sino do mundo

O sino que está sendo enviado para Goiás vai desbancar o atual maior do mundo que está em Gotemba, no Japão


+ Notícias

Saiba como conseguir comida e cerveja grátis no Outback em Goiânia

Agora assinante premium do Clube Curta mais pode escolher o Billy Ribs, o Kookaburra Wings®, o Bloomin Onion® e até o famoso chope na caneca congelada totalmente na faixa!


MAIS LIDAS DE HOJE

+ CLUBE DE VANTAGENS CURTA MAIS

Curta Mais 2018. Todos os direitos reservados.